Voltar Home Avançar

C1-2)  RINITES CRÔNICAS

      a) Rinite crônica simples

            Devida a rinites agudas de repetição que levem a alterações crônicas da mucosa (metaplasia com perda da função ciliar, fibroses e podendo ocorrer certo grau de atrofia). Os fatores predisponentes são alergia, infecções crônicas dos seios paranasais, adenoidites, alergias, desvios de septo nasais, irritações crônicas por agentes químicos, avitaminoses, diabetes, etc..

            Os sintomas são a  rinorréia catarral ou muco-purulenta crônica anterior e/ou posterior (catarro pós-nasal), obstrução nasal  e alteração do olfato.

            Para o tratamento deve-se eliminar os fatores predisponentes.

      b) Rinite crônica hipertrófica

            É considerada uma evolução da rinite crônica simples e se caracteriza por uma hipertrofia da mucosa devida a um infiltrado celular crônico e um edema passivo por fibrose ao nível de linfáticos e veias.

            Os sintomas são semelhantes à simples com predominância da obstrução nasal.

            Para o tratamento também se devem eliminar os fatores predisponentes, podendo-se cauterizar os cornetos ou praticar turbinectomias (ressecção parcial dos cornetos inferiores).

      c) Rinite crônica atrófica

            A rinite atrófica se caracteriza por uma atrofia ósteo-mucosa das fossas nasais podendo levar à formação de crostas devido ao ressecamento do muco, fetidez e alterações do olfato.

            - Rinite atrófica simples

                  Encontrada como seqüela de algumas rinites específicas ou doenças infecciosas (sífilis, difteria, etc.), inalações de substâncias tóxicas (cromatos, gasolina, ac. sulfúrico, etc.) ou secundária a cirurgias nasais.

                  A atrofia é moderada, não há formação de crostas, fetidez ou alteração importante do olfato.

            - Rinite atrófica ozenosa

                  Existe uma atrofia mais acentuada, formação de crostas, fetidez e alteração do olfato e não se consegue correlacionar com nenhuma das causas citadas na simples. Não existe uma etiologia definida havendo várias teorias infecciosas e não infecciosas.

 

Voltar Home Avançar